segunda-feira, 23 de maio de 2016

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P:178 Aniversário (48º )do Pelotão de Caçadores Nativos (60).

48º Aniversário do Pelotão de Caçadores Nativos (60)

O pelotão de caçadores nativos 60 foi criado em S. Domingos, em Maio de 1968. 
 Estivemos com o BAT.CAÇ.1933. Companhias: CCS; CCAÇ. 1790; CCAÇ. 1791; S. DOMINGOS .
 De Maio de 68 a fins de Novembro do mesmo ano.
 Seguimos para Ingoré, onde ficámos com a CCAÇ, 1801 de Novembro de 68 até Agosto de 69.
 Regressámos a S. Domingos, em Agosto de 69 onde trabalhámos com a Companhia de Cavalaria 2539.
 O Pel Caç Nat 60 ficou em S. Domingos /Susana, até ao ano de 74
 O primeiro comandante do Pelotão de caçadores Nativos 60 foi o  Ex Alf Mil Luís Almeida. 
 Foi rendido pelo Ex Alf Mil Nélson Gonçalves.
 A treze de Novembro, de 69 a viatura em que seguia o Ex Alf Mil Gonçalves, acionou uma mina anti-carro sendo ferido com gravidade.
 De Novembro a Janeiro, o pelotão foi comandado pelo Ex Fur Mil Rocha.
 EM Janeiro de 70 o Ex Alf Mil Hugo Guerra.
 Comandava o pelotão 60 no dia dez de Março é ferido, quando o 1º cabo Manuel Seleiro desativava uma mina anti-pessoal. 
Lista dos Comandantes: 
Ex Alf Mil Luís António Gonçalves Almeida - Atir 
Ex Alf Mil Nélson Gonçalves - Atir "DFA" 
Ex Alf Mil Hugo António Constantino Guerra - Atir "DFA" 
Ex Alf Mil Manuel Maria Pereira da Rocha - Atir 
Ex Alf Mil António Inverno - 72/74 - Ranger 
Ex Alfer Comando. João Uloma africano Atir 
1. Lista dos Furriéis: 
2. Ex Fur Mil Isaías Barbosa Leão - Atir 67/69 
3. Ex Fur Mil José Lopes Fazendas - Atir 67/69 
4. Ex Fur Mil Manuel Martins Viana de Sousa - Atir 67/69 
5. Ex Fur Mil Manuel Marques Pereira da Rocha - Atir "DFA" 69/70 
6. Ex Fur Mil Manuel de Jesus Neves - Atir 69/71 
Lista dos Cabos /Soldados: 
Ex 1ºCabo Manuel Maria Magalhães - Atir 68/70 
Ex 1ºCabo Manuel Seleiro "DFA" - Caçador 68/70 
Ex Comando 1ºCabo Agostinho africano Atir 
Ex Gilat Sold africano Atir 
Ex Guilherme de Oliveira Marques - Sold Trasmições 
Ex Luís Fidalgo - Sold Atir 
Ex Pedro - Sold africano Atir 
Ex Malan Seid - Sold africano Atir 
Ex Augusto - Sold africano Atir 
Ex Cavaleiro - Sold africano Atir 
Ex Malan - Sold africano Atir 

1º Cabo Caçador
Manuel Seleiro.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P177:Poema de Abril de Abril

Abril de Abril
.

25 de Abril Sempre

Abril de Abril

Pelotão de Caçadores Nativos (60)

Abril de Abril

Era um Abril de amigo Abril de trigo Abril de trevo e trégua e vinho e húmus Abril de novos ritmos novos rumos.
Era um Abril comigo Abril contigo ainda só ardor e sem ardil Abril
sem adjectivo Abril de Abril.
Era um Abril na praça Abril de massas era um Abril na rua Abril a rodos Abril de sol que nasce para todos.
Abril de vinho e sonho em nossas taças era um Abril de clava Abril em acto em mil novecentos e setenta e quatro.
Era um Abril viril Abril tão bravo Abril de boca a abrir-se Abril palavra esse Abril em que Abril se libertava.
Era um Abril de clava Abril de cravo Abril de mão na mão e sem fantasmas esse Abril em que Abril floriu nas armas.
Manuel Alegre
30 Anos de Poesia
Fonte:
Publicações Dom Quixote

1º Cabo Caçador
Manuel Seleiro
O cante é da Humanidade.

sábado, 26 de março de 2016

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P176: Festas de Serpa em Honra de Nossa Senhora de Guadalupe

de 24 a 29 de março 
Festas de Serpa em Honra de Nossa Senhora de Guadalupe 
Dia 24, quinta-feira
23h30 – Espaço Comissão (Patinódromo)
DJ contra Strike
Dia 25, sexta-feira
10h00 – Rally Papper (ver programa próprio)
Org: Futebol Clube de Serpa
15h00 – Encontro de Petizes e Traquinas (ver programa próprio)
Org: Futebol Clube de Serpa
15h00 – Celebração da Paixão do Senhor (ver programa próprio)
22h00 – Procissão do Enterro do Senhor
00h30 – Espaço Comissão (Patinódromo)
Duo Sensações
KX Connections
Dia 26, sábado
10h00 – Encontro Infantis (ver programa próprio)
Org: Futebol Clube de Serpa
11h15 – Encontro de Benjamins (ver programa próprio)
Org: Futebol Clube de Serpa
15h00 – Encontro de Veteranos (ver programa próprio)
Org: Futebol Clube de Serpa
16h00 – FESTIVAL TAURINO (ver programa próprio)
Org: Bombeiros Voluntários de Serpa
16h00 – Arruada – Tocándar
22h00 – Vigília Pascal (ver programa próprio)
22h00 – Praça da república 
To King
FERNANDO CORREIA MARQUES
00h00 – Aleluias
Arruada – Tocándar
00h30 – Espaço Comissão (Patinódromo)
NININHO VAZ MAIA 
Los Romeros
DJ J. Wolf & Dj Shock
Dia 27, domingo
08h00 – Alvorada
11h00 – Arruada – Tocándar
12h00 – Arruada – Bandinha D´Alegria
15h00 – Procissão de Nossa Senhora de Guadalupe 
16h00 – Cortejo Histórico e Etnográfico
22h00 – Praça da República
ADIAFA
00h00 – Espetáculo Piromusical (junto ao Cineteatro)
00h30 – Espaço Comissão (Patinódromo)
DAVID ANTUNES & THE MIDNIGHT BAND
Ruben Baião
Dj G- Luft & Dj Petter Petta 
Dia 28, segunda-feira
08h00 – Alvorada
12h00 – Arrematação dos Ramos (ver programa próprio)
16h00 – Procissão Solene da Festa de Nossa Senhora de Guadalupe
22h00 – Praça da República
Zeca e Os Pelintras
SÉRGIO ROSSI
00h30 – Espaço Comissão (Patinódromo)
DADUH KING
Dj Balance
Dia 29, terça- feira
08h00 – Alvorada
09h00 – Missa e Procissão Rumo ao Altinho 
Org: Comissão de Festas 

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P175: Terceira secção do Pel Caç Nat (60.)

S. Domingos terceira Secção do pelotão de Caçadores Nativos (60.)

Ano de 1969 S. Domingos

O cante é da Humanidade

Manuel Seleiro,

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P174: Mensagem de Natal aos visitantes e aos amigos.

Mensagem de Natal aos Visitamtes e Amigos
Feliz, fraterno Natal; venturoso, solidário e inclusivo ano de 2016 .
Aturdido pelo pavoroso ruído do mundo, deslumbrado pela delirante fulgurância das luzes, chora, no presépio humilde, o «Menino Deus»...
chora em coro com os seus milhões (trinta mil todos os dias) de irmãos pequeninos que agonizam e morrem de fome!...
estive nu, não me vestistes; estive no hospital e no cárcere e não me fostes visitar; chorei e não me consolastes.«O que fizerdes a qualquer pequenino, a Mim mesmo o fareis»...
Logo que cresça, tomará em suas«veneráveis mãos» o severo chicote e há-de vir, justo, açoitar a humanidade pecadora empedernida, especialmente os «donos horrendos do mundo», que parece festejá-lo, adorá-lo, mas desterrou os seus ensinamentos.

O cante é da Humanidade

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P173: Restauração da Indepenência de Portugal.

Restauração da Indepenência de Portugal.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P172: Não falte a um dos maiores certames do Radioamadorismo.

[News] Inf. úteis para a Exposição Feira da Rádio

Informações úteis para a Exposição Feira da Rádio
Dia dia 29 de Novembro das 10:00 as 17:00 horas (Domingo)
Transportes possíveis
Metro, Gare do Oriente e Moscavide
Comboio, Estação de Moscavide ( Fica apenas a 20 metros do IPDJ )
Autocarros, 705 - 725 - 728 - 731 - 744 - 759 - 708
TST, Provenientes da Margem sul, Montijo, Alcochete, etc. ( Paragem junto ao IPDJ ) Parqueamento: Em redor do IPJ é Gratuito.
Poderá utilizar o restaurante do IPDJ em regime de Self-Service para almoçar, preço 6 €
O IPDJ além de outras valências também dispõem de alojamento.
IPJ, 38º 46´ 69´´N - 009º 05´ 89´´W
Rua Via de Moscavide N.º 47 101 - CP - 1998 - EXPO
Não falte a um dos maiores certames do Radioamadorismo
Esteja onde estiver…venha de onde vier.. vai ver que valeu a pena ter vindo!!! Até ao dia 29 de Novembro (Domingo)
+ Inf. em:
http://www.arvm.org/ feira.radio@gmail.com
A.R.V.M.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P171: 8ª Feira Histórica e Tradicional de Serpa

Serpa no reinado de D. Dinis
8ª Feira Histórica e Tradicional
A 8.ª edição da Feira Histórica e Tradicional de Serpa decorre de 21 a 23 de agosto de 2015, no centro histórico da cidade.
A Feira inclui no seu programa recriações históricas, animação musical, teatro, espetáculos equestres, palestras, oficinas e exposições, entre outras atividades.
A edição deste ano evoca o reinado de D. Dinis (1279-1325).
Com o fim da empresa da “Reconquista”, em 1294, e com a assinatura do Tratado de Alcanizes, em 1297, o monarca deu especial atenção às povoações e fortificações que se localizavam ao longo da fronteira terrestre do reino.
Assim, as obras realizadas por D. Dinis no castelo e nas muralhas de Serpa, que deram origem a três lápides com o brasão do monarca e inscrição, foram acompanhadas pela concessão de carta de foral, outorgada em 1295.
Do ponto de vista económico, as disposições do documento indicam que a pastorícia e a agricultura eram as atividades fundamentais.
Quanto ao comércio, era o pão e o vinho, os panos de lã e linho, o pescado... O foral revela ainda uma sociedade em reorganização, onde é grande a tensão social e política.
Vejam-se as penas que oneravam as violações, o roubo de objetos e de terras e até as dificuldades na travessia de barco do Guadiana, de uma para a outra margem.
Mas nem só a travessia do Guadiana era vigiada. Os caminhos também não eram seguros e o foral pretende garantir a proteção da atividade mercantil, em particular a movimentação de mercadores cristãos, judeus ou mouros.
A regência de D. Dinis assinala um tempo de convivência em paz e tolerância para os três credos.
É este período, o reinado de D. Dinis, que a Feira Histórica e Tradicional de Serpa recorda de 21 a 23 de agosto próximo.
Prima jornada (dia 21, sexta-feira)
18h30 | Conversas na Nora | “Serpa na definição da fronteira portuguesa até ao reinado de D. Dinis” | Dr. Joaquim Boiça, Historiador / Investigador
19h30 | Auto de abertura do mercado e arraial com cortejo pelas ruas do burgo | A bênção pela clerezia | Leitura do Tratado de Badajoz pelo qual Afonso X em 1267 renunciou definitivamente à posse do reino do Garb Al Andalus a favor de D. Dinis, ainda em tempo de seu pai D. Afonso III
20h30 | Visita do meirinho, almotacem e alvazil às tendas dos mercadores para verificação dos pesos e das medidas da vara, do côvado e do palmo, fazendo-se acompanhar pela milícia do almoxarife | Comeres de sabor tradicional e beberes de aroma nas tabernas e locandas do terreiro
21h00 | Bailias e folguedos nos terreiros do mercado
21h30 | As Medievalíadas na Liça: jogos de destreza e perícia com os moços e moças de Serpa para apuramento dos mais afoitos e escorreitos
22h00 | D. Dinis funda o mosteiro de Odivelas e declara guerra a Castela seguindo-se o acordo de tréguas da Guarda, depois ratificado em Ciudad Rodrigo com a entrega ao Reino de Portugal de Moura, Serpa, Aroche e Aracena
23h30 | Espetáculo de malabarismo de fogo sobre a Lenda do Casal Mal-Avindo
24h00 | Concerto musical de índole mourisca com dança do ventre, dança Thanora e a arte do encantador de serpentes
01h00 | Encerramento do mercado e ronda de beleguins
Seconda jornada (dia 22, sábado)
18h30 | Conversas na Nora | “D. Diniz e a Cultura e a Língua Portuguesa”, Prof. Doutor Saul António Gomes, Faculdade de Letras / Universidade de Coimbra
19h30 | Cortejo pelas ruas do burgo | Abertura do mercado e leitura da Carta Régia em que se faz mercê ao concelho com um foral pela mão do próprio monarca, El-Rei D. Dinis
21h00 | Provas de destreza e perícia entre infanções de Cortegana e infanções de Serpa com béstas e arcos na liça
21h30 | Por ordem d’El-Rei D. Dinis, criam-se os corpos de Besteiros do Conto e entregam-se as béstas aos vilões do concelho para defesa do Reino | Ajuramentação e adubamento dos homens de armas
22h00 | Torneio de armas a cavalo na liça e agraciamento da comitiva de cavaleiros do Garb Al Andaluz que vem prestar vassalagem a El-Rei D. Dinis
23h00 | Bailias e monices |Dança Thanora no terreiro dos Paços do Concelho
24h00 | Concerto musical de índole sefardita
01h00 | Apontamentos de fogo grego pelos mouros do Garb Al Andaluz
01h30 | Encerramento do mercado e ronda de beleguins
Terça jornada (dia 23, domingo)
18h30 | Conversas na Nora | “Judeus, Cristãos e Muçulmanos na Cultura Portuguesa: um olhar aquém-Tejo” | Prof. Doutor José António Falcão, Diretor do Departamento Histórico e Artístico da Diocese de Beja
19h30 | Cortejo pelas ruas do burgo | recebimento do emissário do Rei de Leão, primo de D. Dinis, para ajustar os termos do Tratado de Alcanizes sobre as fronteiras entre os reinos de Portugal, Leão e Castela
20h30 | Provas de destreza e perícia com béstas e arcos na liça do castelo
21h00 | Agasalho dos romeiros de Santiago de Compostela com a régia presença de Dona Isabel de Aragão na escadaria
22h00 | Torneio de Armas a Cavalo com adubamento de cavaleiros e investidura dos novos miles | Adopção da língua vulgar pela Chancelaria Régia na escrituração da Corte
23h30 | D. Dinis surpreende a rainha Dona Isabel a distribuir pão aos pobres e do que então sucedeu | Sermão do pregador franciscano sobre os malefícios da alma, ouvindo em confissão a vários penitentes, na escadaria
24h30 | O Milagre das Rosas | Espetáculo de malabares de fogo
01h00 | Encerramento dos festejos | Bailias e folguedos
Em permanência | No espaço do evento | Animação Itinerante | Recriação Histórica e Artes Performativas | Personagens | Rábulas e Estórias | Música e Dança
Org: Câmara Municipal de Serpa, com o apoio do Movimento Associativo, Juntas de Freguesia
Candidatado ao POCTEP_Programa de Cooperação Transfronteiriço Espanha/Portugal e cofinanciado pelo FEDER- Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, da União Europeia/Investimos no seu Futuro.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P170: S. Doningos ano de 68.<

Chegada a S. Domingos a 27 de Julho de 1968.
Destino Pelotão de Caçadores Nativos (60)
S. Domingos / Ingoré
Fáz hoje 47 anos...
1º Cabo caçador.
Manuel Seleiro.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P169: Rosa de Hiroshima

Rosa de Hiroshima
Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada.
Composição: Vinícius de Moraes
06.08.1945

Rosa de Hiroshima
Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada.
Composição: Vinícius de Moraes
06.08.1945

sábado, 30 de maio de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P168: [News] Field Day 2015

Assunto:
[News] Field Day 2015
Field-Day 2015,
nos dias 13 e 14 de Junho
> Mantendo a tradição iniciada em 1991 , na Golegã, a ARVM vai levar a efeito o Field-Day
2015, nos dias 13 e 14 de Junho.
A Direção assume a organização do Field Day 2015, que terá como temas principais as comunicações via rádio e o convívio entre radioamadores, estaremos operativos em todas as bandas.
Foi escolhido o Parque Urbano Municipal de Santa Iria de Azóia, situado no Concelho de Loures, junto aos acessos da Autoestrada do Norte (A1).
Nos dias 13 e 14 de Junho, será montada uma estação de CT1RVM , para operar em todas as bandas, apoiada em energia alternativa ( baterias e geradores ) e pontualmente da rede pública.
Para quem não conhece, este é um local amplo, com uma vista primorosa sobre o vale do Tejo, onde se desfruta de uma panorâmica sobre toda a zona Oriental de Lisboa, Alcochete, Serra Arrábida, Zona de Odivelas, Loures, etc.
É um local apropriado para comunicações via Rádio devido à sua situação geográfica.
Todos os Sócios, Associações e Radioamadores em geral, deverão montar, se assim o desejarem, a sua própria estação no local, ou utilizar os seus portáteis ou móveis, em alegres QSOs, a partir do Field-Day 2015 da ARVM.
Na simplicidade que queremos dar ao evento a realizar num Parque Municipal onde a Câmara de Loures criou as melhores condições, num verdadeiro espírito de Field-Day, e na confraternização entre todos os sócios e não sócios presentes, pretendemos adotar o sistema de “traga o seu e coma de todos”, havendo no local condições ( mesas com bancos) onde se pode realizar um encontro gastronómico sem regras, mas com alegria, camaradagem e confraternização, ações que o Radioamadorismo carece e que nunca serão demais.
O Parque está dotado de condições para que os seus acompanhantes possam passar bons momentos de convívio, dispondo de pistas de Skate, Bicicletas, patins, campo de manutenção, footing e parque infantil para que os mais pequenos se possam divertir, e um bom parque de merendas ao seu dispor.
Para todos aqueles, que por qualquer razão não possam estar presentes nas operações de montagem, gostaríamos pelo menos de registar a vossa presença durante este evento, no Parque Urbano de Santa Iria de Azóia, para que possamos conviver um pouco e trocarmos impressões sobre o nosso "Hobby".
Aguardamos a vossa presença, pois estou certo, que uma vez mais, vou poder contar convosco.!!!
> Um cordial abraço de amizade,73’s
Francisco Gonçalves
Presidente da Direção
ARVM
Rua António Maria Pais, n.º 6 - 4º Dto
1885 - 001 Moscavide
Lisboa - Portugal
Tel/Fax: ( 351 ) 219 440 198
www.arvm.org
arvm@arvm.org
Visite-nos
Em :
O Cante alentejano património cultural Imaterial da Humanidade
Manuel Seleiro

__

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P167: Poema de Abril.

Pelotão de Caçadores Nativos (60)

S.Domingos / Ingoré / Susana - 68/74

Poema de Abril
Poema de Abril
A farda dos homens
voltou a ser pele
(porque a vocação
de tudo o que é vivo
é voltar às fontes).
Foi este o prodígio
do povo ultrajado,
do povo banido
que trouxe das trevas
pedaços de sol.
Foi este o prodígio
de um dia de Abril,
que fez das mordaças
bandeiras ao alto,
arrancou as grades,
libertou os pulsos,
e mostrou aos presos
que graças a eles
a farda dos homens
voltou a ser pele.
Ficou a herança
de erros e buracos
nas árduas ladeiras
a serem subidas
com os pés descalços,
mas no sofrimento
a farda dos homens
voltou a ser pele
e das baionetas
irromperam flores.
Minha pátria linda
de cabelos soltos
correndo no vento,
sinto um arrepio
de areia e de mar
ao ver-te feliz.
Com as mãos vazias
vamos trabalhar,
a farda dos homens
voltou a ser pele.
Sidónio Muralha Poemas de Abril. Lisboa : Prelo, 1974
"Enquanto houver vontade de lutar,
haverá esperança de vencer"


·

Visite-nos
Em :
www.luardameianoite.pt
1º Cabo
CAÇADOR.
Manuel Seleiro
"DFA"
©: - 2015 ·

....

quarta-feira, 25 de março de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P166: Regresso de uma patrulha, S.Domingos.

Pelotão de Caçadores Nativos (60)

Regresso de uma patrulha
Do pelotão de Caçadores Nativos (60)
S. Domingos
1970
Estrada
S. Domingos / Ingoré

1º Cabo Caçador
DFA
Visite-nos
Em :
O cante alentejano património cultural imaterial da Humanidade © 2015 Portugal. A (S)

Manuel Seleiro

...

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P165: dois batelões no rio gêba.

Pelotão de Caçadores Nativos (60)

Dois batelões no rio gêba, São Vicente.

Ingoré

68/69

O cante alentejano património cultural ematerial da Humanidade. pode ouvir aqui.

1º Cabo caçador.
Manuel Seleiro
DFA.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P164: Parabéns a você Bernardino Parreira, ex-Fur Mil Cav da CCAV 3365 e CCAÇ 16 (Guiné)

Pelotão de Caçadores Nativos (60)

CCAV. 3365 S.Domingos 71/73.

Parabéns a você Bernardino Parreira, ex-Fur Mil Cav da CCAV 3365 e CCAÇ 16

O nosso camarada e amigo, Bernardino Parreira está hoje de parabéns.
O pelotão de Caçadores Nativos 60 associa-se ao seu Aniversário.
Amigo Bernardino um grande abraço dos camaradas de S. Domingos.
1º Cabo Caçador.
Manuel Seleiro
Visite-nos em:
O cante alentejano Património Cultural Ematerial da Humanidade. É aqui.

DFA

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P163: 14.ª Feira do Queijo do Alentejo Serpa.

14.ª Feira do Queijo do Alentejo Serpa

27, 28 de fevereiro e 1 março de 2015

27, 28 de fevereiro e 1 março de 2015
14.ª Feira do Queijo do Alentejo
A tecnologia artesanal do queijo tem grandes tradições no Alentejo, onde, desde sempre, desempenhou um papel de grande importância económica.
O Queijo Serpa, com denominação de origem desde 1994 e denominação de origem protegida desde 1996, é possivelmente o queijo tradicional de maior fama no Alentejo, sendo o seu singular aroma e sabor parte fundamental do património cultural do Baixo Alentejo e em particular do concelho de Serpa.
Realizada anualmente em finais de Fevereiro a Feira do Queijo do Alentejo pretende primar este emblemático produto do concelho a par dos outros produtos regionais de qualidades tais como os enchidos, o azeite, o vinho, o mel, o pão e as azeitonas.
As tasquinhas, com os petiscos locais, têm presença forte neste certame onde também é presença imprescindível o cante alentejano.
Integrada num conjunto de objetivos cuja implementação se considera estratégica para o desenvolvimento do concelho e da cidade de Serpa, a Feira do Queijo do Alentejo, organizada pela Câmara Municipal de Serpa, constitui um passo decisivo na criação de uma base de sustentabilidade para a economia local, assente num dos pilares económicos do concelho: as produções tradicionais.
14.ª Feira do Queijo do Alentejo
27, 28 de fevereiro e 1 março de 2015
Para consulta ou descarregar ficheiros ver
Aqui.
Esta iniciativa, que decorre de 27 de fevereiro a 1 de março, é organizada pela Câmara Municipal de Serpa com o objetivo de promover o queijo como um produto emblemático da região e procurando incentivar a melhoria da qualidade dos produtos regionais e a dinâmica do tecido empresarial.


Fonte :
Câmara Municipal de Serpa.
"Em atualização "


O cante alentejano património cultural imaterial da Humanidade, é aqui.
1º Cabo Caçador
Manuel Seleiro.

... ...

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P162: NATAL!

FESTAS FELIZES

Pelotão de Caçadores Nativos 60

O Blogue do pelotão de Caçadores Nativos (60) ,
deseja os amigos e visitantes Festas Felizes.

O Cante alentejano é aqui.

1º Cabo Caçador Manuel Seleiro

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P161: O cante alentejano já é património cultural imaterial da Humanidade.

O cante alentejano é Património cultural imaterial da Humanidade.
Aprovado hoje em "França PARIS"
Na Cede da Unésco.
Dia 27 de Novembro cerca das 10h17m hora portuguesa.
O cante Alentejano é assim reconhecido internacionalmente.
É a cultura de um povo e de um País.
O Grupo coral e Etnográfico da casa do povo de Serpa.
Cantou a moda Alentejo, Alentejo.

O que é o cante ?
O Cante Alentejano é um cante popular, prática polifónica desempenhada vulgarmente por grupos de homens, embora existam também grupos femininos e mistos.
Dentro do grupo de cantores existe o cantor solo, chamado ponto que inicia sempre os dois primeiros versos.
Depois segue-se o alto, que canta uma terceira acima.
O restante coro entra no tom do ponto e o alto começa a ornamentar a melodia.
As canções são chamadas modas, cujas principais características são:
(a)
Serem todas em tons maiores;
(b)
Terem algumas o soluço eclesiástico, ou pausa para respirar, no meio da palavra;
(c)
Terem algumas o acorde de trítono, intervalo dissonante composto de 3 tons.
Segundo alguns estudiosos, o Cante Alentejano terá tido a sua génese em Serpa, nos finais do século XV, na transição do Milénio Vocal para o Renascimento:
um grupo de frades deslocados do Convento de S. Paulo, na Serra de Ossa, para Serpa, terá estado na sua origem.
Outros apontam para as heranças da tradição árabe no sul do país.
O Cante Alentejano é um dos bens culturais imateriais que melhor personifica a cultura identitária do Alentejo.
Frequentemente, os alentejanos reúnem-se para cantar e, através do canto, retratam a sua gente, a lavoura, o sofrimento, o amor, a crença e a morte.
Daí que muitos considerem Serpa a "capital" do Cante Alentejano.
Refira-se, ainda, que o Cante reforça o sentimento de pertença da diáspora alentejana em Portugal e além-fronteiras:
elemento sempre presente nos espaços de convívio e que estimula o diálogo intergeracional.
1º Cabo Caçador Manuel Seleiro
"DFA"
Leia mais aqui

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P160: Candidatura do Cante Alentejano com parecer favorável.

O Cante Património do Alentejo

Decisão final é conhecida entre 24 e 28 de novembro.
Candidatura do Cante Alentejano com parecer favorável.
A Comissão Internacional de Especialistas da UNESCO emitiu parecer favorável à candidatura do cante alentejano a Património.
Cultural Imaterial da Humanidade.
A decisão final do Comité Internacional da UNESCO, por norma, vai de encontro a estes pareceres da comissão.
No entanto, ressalve-se que esta decisão só será dada a conhecer após reunião do Comité, entre os dias 24 e 28 de novembro, em.
Paris,
O Alentejo acantar

1º Cabo Caçador -Manuel Seleiro

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P159: Atotinha Ingoré.

Pelotão de Caçadores Nativos (60)

Atotinha Ingoré Ano de 68

General spínola 20-12-68
Visita ao Destacamento da Atotinha 1º Cabo Caçador "DFA"
Ex - Alf Mil Almeida General Spínola
Visite o Site Luar da Meia-noite O Cante Alentejano

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Pel Caç Nat (60) Guiné 68/74 - P158: Aniversário da Companhia de Caçadores: 1801, Ingoré.

Pelotão de Caçadores Nativos (60)

Companhia de Caçadores (1801)

Aniversário da Companhia de Caçadores 1801 ingoré.
Outubro de (68)
67/69:

1º Cabo Caçador.
Manuel Seleiro.
Visite o Luar da Meia-noite.
Web:
Site - do Cante Alentejano

....